Máscaras são recomendadas, mas não obrigatórias.

The Hunt

Terça-feira, 19 de setembro de 2017 por Miranda Hambro

Uma das melhores coisas sobre o trabalho de um registrador é a satisfação que vem de verificar informações, buscar documentação faltante e amarrar pontas soltas. Como registradores, temos o compromisso de criar os registros mais detalhados da movimentação de objetos dentro e fora do Museu; no entanto, de vez em quando, apesar dos melhores esforços de nossos predecessores, as coisas dão errado. Na qualidade de actuais guardiães do acervo do Museu, é nosso dever tentar remediar as situações deixadas pelos nossos antecessores. Esta é uma história agridoce sobre uma maneira como isso pode acontecer.

A equipe do museu está envolvida em um projeto contínuo e de longo prazo para revisar e avaliar o acervo do museu. Como parte desse processo, localizei uma boneca com um número de identificação anexado que indicava que era um empréstimo ao Museu. A etiqueta incluía o nome do credor, junto com uma nota de que tentativas de devolução haviam sido feitas desde a década de 1990, sem sucesso.

"Gloriana" o item a ser devolvido

Comecei com uma pesquisa completa em nossa documentação e descobri que a tínhamos emprestado para uma exposição em 1986! Além disso, encontrei o endereço da cidade de Nova York e o número de telefone do credor. Vou dedicar um momento aqui para dizer que o Museu devolve prontamente TODOS os nossos empréstimos imediatamente após o encerramento das exposições, mas ocasionalmente, por qualquer motivo, o credor não responde às tentativas de devolução do objeto. Os registradores podem tentar fazer o acompanhamento por anos. Embora parecesse improvável que o credor ainda estivesse lá, dadas as tentativas anteriores malsucedidas de devolução, tentei ligar para o credor. O número havia sido desconectado, o que não foi nenhuma surpresa.  

Há várias etapas que começamos a seguir ao rastrear um “credor perdido”. Antes de enviar uma carta para o último endereço conhecido, liguei para a empresa de administração desse edifício, mas eles não forneceriam nenhuma informação sobre um atual ou anterior residente, além de verificar que o credor não morava mais lá.  

Depois procurei na internet um endereço ou número de telefone mais recente. Normalmente, essas informações são fáceis de encontrar, principalmente porque o credor tinha um nome bastante incomum. Esse tipo de processo é muito mais difícil quando o credor tem um nome como "John Smith". Fiquei surpreso quando não consegui encontrar nada.

Pesquisei mais amplamente na internet e encontrei uma referência sugerindo que o credor havia falecido. Como em muitos sites on-line, não havia citação para essas informações, e eu hesitava em acreditar nas informações postadas por uma pessoa aleatória na internet.

Depois de esgotar todas as vias de investigação disponíveis, ficou claro que era necessária uma viagem ao Tribunal Substituto. Por definição, no site dos tribunais de Nova York, “o Tribunal Substituto ouve casos envolvendo assuntos de falecidos, incluindo o inventário de vontades e a administração de propriedades”. Isso inclui propriedades de pessoas que morrem sem vontade. Existe um tribunal substituto em cada município do estado, e foi por lá que localizei o testamento do credor.
 

Tribunal de substitutos

Infelizmente, ele morreu de complicações relacionadas à aids, em 1988, no auge da crise da aids. Ele morreu no exterior, e era possível que ele estivesse viajando antes de sua morte quando funcionários anteriores do Museu estenderam a mão para devolver o empréstimo. A papelada indicando que ele possuía propriedades no Museu deve ter sido, de alguma forma, ignorada pelo executor de sua propriedade. O testador listou o nome e o endereço de seu herdeiro. Felizmente, consegui localizar seu herdeiro facilmente e tomar providências para devolver a propriedade.

Como diz o ditado, "existem 8 milhões de histórias na cidade nua, essa tem sido uma delas". A propriedade abandonada é uma ocorrência surpreendentemente comum na maioria dos museus, por várias razões. Apesar de quanto tempo e esforço são necessários para localizar o (s) legítimo (s) proprietário (s) ou herdeiro (s), os registradores do museu estão comprometidos em devolver a propriedade adequadamente assim que iniciarem a caça!


Os leitores que desejam um exame mais aprofundado da crise da Aids e as respostas dos artistas são encorajados a visitar nossa exposição AIDS em casa: arte e ativismo cotidiano, em exibição até 22 de outubro de 2017.

Por Miranda Hambro, secretário

Junte-se ao MCNY!

Quer ingressos gratuitos ou com desconto, convites para eventos especiais e muito mais?