Uma conversa nativa sobre índio urbano

Quinta-feira, 19 de dezembro de 2019 por Stephanie Luciano

História
Artistas da exposição, Women of Sweetgrass, Cedar and Sage, amigos e membros da comunidade do lado de fora da American Indian Community House Gallery, 1985. Foto de Jesse Cooday.

Em um esforço para aprender mais sobre as comunidades nativas americanas e sua história, a estagiária de Educação e Marketing Stephanie Luciano entrevistou educadores e curadores que contribuíram para a abertura da recente exposição Indiano urbano: Nova York nativa agora no Museu da cidade de Nova York. Ao ouvir essas entrevistas, você aprenderá sobre os antecedentes de cada indivíduo nos estudos sobre os nativos americanos e como esta exposição reflete seus pontos de vista pessoais e profissionais.



Não é comum sair da minha zona de conforto e permitir que o público ouça, em vez de ler meu trabalho. Mas senti que era necessário ser ouvido e olhar mais de perto a maneira como os nativos americanos moldam nossa cidade moderna.

Fiquei “nos bastidores” neste episódio e conversei com pessoas apaixonadas por espalhar o conhecimento dos nativos em nossa cidade e permitir que eles compartilhassem suas histórias:

Rebecca Jacobs, bolsista de curadoria de pós-doutorado em Mellon 2017-2019 que co-curou a exposição anterior Germ City: micróbios e a metrópole e agora co-curador de Indiano urbano: Nova York nativa agora. Ela recebeu seu Ph.D. em Estudos Americanos da Universidade de Yale, com especialização em ciências humanas.

Rick Chavolla, que estuda na maior parte de sua carreira profissional. Ele deixou seu emprego de tempo integral na NYU para fazer consultoria por conta própria e agora está em vários conselhos, como o American Indian Community House, que atua como presidente do conselho.

E Pilar Jefferson, que trabalha como coordenadora de educação no Museu desde 2015. Na faculdade, estudou história da arte, mas sempre teve interesse na cultura através da arte para expandir e contar uma história sobre pessoas marginalizadas.

Eu viajei Indiano urbano como três pessoas diferentes; um visitante, um educador e um entrevistador. Fiquei intrigado ao visitar a exposição; lendo sobre cada objeto e formulando seu propósito no museu. Como educador, eu olhava através das lentes do artista, observando o que mais se destacava para mim e montando um roteiro para os alunos. Como entrevistador, o que foi deixado para trás foi a essência da exposição. O que eu queria conhecer isso não estava sendo dito em profundidade?

Eu explorei o tópico dos nativos americanos na minha cidade. Somos ensinados sobre os nativos americanos na história, mas onde eles estão hoje? Indiano urbano: Nova York nativa agora "É realmente menos um show sobre pessoas nativas, é sobre a cidade de Nova York e entender melhor a cidade através de perspectivas nativas".



Stephanie é uma estudante de graduação do Lehman College, que se forma em jornalismo com menores em Media Communications e Administração de Empresas. Ela começou a estagiar no museu em 2017 e voltou no início do ano para estagiar em Educação e Marketing. Seus interesses estão na cultura pop e no entretenimento, mas ela acha importante entender a cidade de Nova York através das artes. Anteriormente estagiando para um jornal local no Bronx e tendo vários projetos de produção paralelos, ela acredita que o museu ajudou a construir seu engajamento com o público. Stephanie não tem certeza de onde iria a seguir, mas sabe que tem uma perspectiva mais ampla sobre a cidade de Nova York e as pessoas nela.

Stephanie Luciano, Estagiária de Educação

Junte-se ao MCNY!

Quer ingressos gratuitos ou com desconto, convites para eventos especiais e muito mais?