A decapitação do Presidente Andrew Jackson

Domingo, 14 de maio de 2017 por Madeleine Hazelwood

Desconhecido. Andrew Jackson. Ca. 1835-1870. Museu da cidade de Nova York. F2012.56.235

Em 2 de julho de 1834, o Presidente Andrew Jackson, também conhecido como "Old Hickory", foi decapitado em Boston, no que se pensava ser uma resposta à Guerra dos Bancos que teve início no verão de 1832. Você pode estar pensando que eu estava ensinou fatos históricos alternativos quando criança, mas na verdade era a figura de proa de Andrew Jackson no Constituição USS que foi morto prematuramente.

Depois de sofrer danos durante a Guerra de 1812 e em mau estado de idade, o Constituição USS foi definido para ser desmontado. O protesto público após esta decisão levou Jackson a ordenar que o Departamento da Marinha enviasse o Constituição ao estaleiro da Marinha de Charlestown, em Boston, para reparos. Sua figura atual, uma escultura de Hércules, foi removida como parte desse reparo. O comodoro Jesse Duncan Elliott, o protegido do presidente Jackson, encomendou uma figura de proa do presidente para substituir o Hércules danificado em comemoração de suas calorosas boas-vindas a Boston após receber um doutorado da Universidade de Harvard em 1833. Em 1834, porém, a popularidade de Jackson entre o povo de Boston havia diminuído significativamente devido em grande parte à sua guerra contra o Segundo Banco dos Estados Unidos.

Durante o verão de 1832, o Congresso, liderado pelo senador Henry Clay, renovou a carta do Segundo Banco dos Estados Unidos (BUS) formalmente programada para expirar em 1836. Jackson prontamente vetou a lei pela renovação antecipada da carta. Como defensor da indústria agrícola dos Estados Unidos, Jackson considerava o ônibus inconstitucional e inimigo dos agricultores do sul e do oeste, ao proporcionar privilégios financeiros à elite econômica. Para reduzir o poder do Banco, Jackson ordenou que seu secretário do Tesouro desviasse fundos federais do Banco dos Estados Unidos para vários bancos estaduais. O atual secretário do tesouro de Jackson recusou, assim como o segundo. O terceiro secretário designado seguiu as ordens sem precedentes do Presidente, a partir de 1º de outubro de 1833.

Miniatura
N. Currier (Empresa). General Andrew Jackson. 1845. Museu da cidade de Nova York. 56.300.992

Para contrariar o plano de Jackson, o atual presidente do BUS, Nicholas Biddle, começou a contratar crédito e pedir empréstimos para incitar uma crise financeira e mostrar a necessidade de um banco central. Esse plano saiu pela culatra, levando a protestos públicos generalizados e serviu de evidência de apoio para os Democratas Anti-Bank Jacksonian dos perigos de um banco central. Esse movimento de Biddle afetou particularmente os comerciantes de Boston, pois muitos tinham crédito pendente no Segundo Banco dos Estados Unidos e ameaçavam o comércio na costa leste.

Laban Smith Beecher completou a figura de proa de mais de um metro e meio de altura em abril de 1834. Foi transferido para o Constituição e colocado sob forte guarda, mas na noite tempestuosa de 2 de julho, a figura de proa foi decapitada. Não foi até dias após o incidente que alguma luz foi lançada sobre a identidade do carrasco. Um capitão de 18 anos que navegava com a Companhia das Índias Ocidentais chamado Samuel Dewey assumiu a responsabilidade pela decapitação. A tempestade naquela noite ajudou a esconder a escalada do navio e a remoção da cabeça. Devido a uma haste de metal prendendo a cabeça no corpo, Dewey cortou a cabeça abaixo do nariz, deixando a boca e o queixo presos ao corpo.

Laban Smith Beecher. Chefe de Andrew Jackson. 1833. Museu da cidade de Nova York. 98.79.1

Dodge & Son foi contratada para construir uma nova cabeça para a figura de Jackson e Constituição zarpou para Nova York chegando em 1835. A nova cabeça foi presa ao corpo original, como pode ser visto na imagem abaixo.

Laban Smith Beecher | Dodge & Filho. Andrew Jackson. 1834. Museu da cidade de Nova York. M52.11.

Então, o que aconteceu com a cabeça decepada original? Depois de manter a cabeça escondida por um período de tempo, Dewey decidiu devolver a cúpula ao seu dono, o próprio Andrew Jackson. Jackson estava muito doente para receber Dewey, então se encontrou com o vice-presidente Martin Van Buren. Van Buren o instruiu a levar a cabeça ao secretário da Marinha Mahlon Dickerson, que prontamente tentou prender Dewey. Para desgosto de Dickerson, não havia lei contra a decapitação de figuras de proa. Grande parte da imprensa se recusou a acreditar na confissão de Dewey, pois não carregava motivação política. Também existem poucas evidências para apoiar sua história de decapitação do presidente Jackson, mas a cabeça e o corpo originais agora estão reunidos em nossa coleção, apenas não reunidos como antes.

Por Madeleine Hazelwood, Registradora Associada

Junte-se ao MCNY!

Quer ingressos gratuitos ou com desconto, convites para eventos especiais e muito mais?